Romero Britto? Guarapari? Búzios? Minha Arte? Afinal, o que é Arte?



Nesse primeiro vídeo vamos discutir a importância (ou a falta dela) de Romero Britto no cenário da arte contemporânea.

Rodrigo Retka nas redes sociais:
https://www.facebook.com/rodrigoretka
https://www.instagram.com/rodrigoretka/

Filmagem e edição: Romulo Braga
Portfólio do Romulo: https://www.behance.net/romulobraga

Your Intro de Audionautix está licenciada sob uma licença Creative Commons Attribution (https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/)
Artista: http://audionautix.com/

source

28 Replies to “Romero Britto? Guarapari? Búzios? Minha Arte? Afinal, o que é Arte?”

  1. Olha o que eu particularmente acho mais significativo a discussão do trabalho do Romero Brito e sua significância ou não na arte contemporânea e não o fato dele ser bem sucedido (aliás isso pouco me importa). Se a discussão for somente esta pelo viés financeiro/mercadológico, a conversa vai sempre descambar para o juízo de gosto ou outra coisa qualquer. Ok podemos pensar as obras do Brito dentro do escopo mercadológico, mas aí teria tanta referência, tantos casos e etc etc etc.
    Por exemplo: Damien Hist, também é super bem sucedido e seu trabalho sofre duras críticas. Já ouvi falar, não me lembro onde ou quem falou, que a obra mais importante de Hist é a forma com que ele manipula o mercado de arte. (me desculpe se escrevo errado, estou no celular e não posso olhar a grafia correta).
    No caso do Brito, acho que ele faz arte sim, uma arte meio ultrapassada e bem mais próxima da estética kitsch, mas tudo bem, a estética já deixou de ser um norteador para arte já faz tempo. O que me incomoda na arte do Brito é a aparente estagnação, não há uma mudança significativa, não há uma transformação ou busca de uma superação que pelo menos ao meu ver, quase todos artistas da história buscavam. Tudo bem, a arte contemporânea não tem regras e etc e tal, mas as vezes parece que as pessoas são mais atraídas pela badalação vinculada a seu nome do que pela qualidade das obras em si. De novo ok, não há a necessidade de separar obra do artista, ambos podem fazer parte de uma extensa obra…Ok. Mas aí a arte abandona suas possibilidades subjetivas e assume exclusivamente o caráter mercadológico?
    É aí…o que seria então este objeto?
    Espero não ter ficado muito confuso.

  2. super polemico o romero britto

    saca só esses dois podcasts…

    no primeiro os caras entrevistam o romero britto, dai ele fala um pouco da vida dele e talz… mas fala quase nada sobre arte. fala mais sobre sua historia de "empreendedor" bem sucedido

    https://jovemnerd.com.br/…/nerdcast-465-as-cores-do…/

    esse segundo podcast meio que é em resposta ao primeiro, onde filósofos e acadêmicos da area artistica metem o pau no romero britto xD dor de cotovelo talvez? nunca se sabe LOL

    http://www.b9.com.br/…/anticast-183-o-codigo-britto/

  3. Recentemente em uma aula o tal assunto apareceu. Os alunos estavam falando de Romero Brito, dei continuidade a discussão, até que alguém me perguntou se o trabalho dele é arte ou não, a minha resposta foi bem parecida com a sua… mas fiquei me perguntando, será que odiamos Romero Brito ou estamos nutrindo ódio pela popularização da arte? Hoje, eu acredito que parte desse ódio vem do medo de que a arte se democratize e que se dizer um pesquisador, professor ou admirador da arte não seja mais capaz de conferir o status de "erudito". Talvez a gente tenha que começar a entender porque odiamos, o que, de fato, está por trás disso.

  4. Retka seu lindo, fala sobre aquelas noticias em que alguém esquece alguma coisa em algum museu e dai confundem essas coisas com obras de arte. Já vou pedir foto segunda feira antes que voce fique famoso aushhshsh beijo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *